front-end-developer

FrontEnd uma profissão incompreendida

Nossa! Sou uma exceção nesse mar de gente que acha que FrontEnd faz mais BackEnd que qualquer outra coisa? Há 15 anos eramos todos Web Designers ou Web Masters, evoluiu, separamos a criação em diversas áreas e uma delas o FrontEnd, o Web Master também foi separado e algumas coisas foram mescladas ao FrontEnd, porém vejo um retorno do errôneo conceito hoje em diversas empresas, e algumas delas como a UOL ainda insistem em chamar o FrontEnd de Web Designer ou Web Master, enfim o mercado está indo onde os profissionais estão aceitando as condições, mas tentando sempre tirar casquinha e os profissionais estão permitindo, será que vamos continuar com isso até quando?

Discordo quando FrontEnd tem que manjar de JavaScript como quem programa em NodeJS, discordo quando dizem que FrontEnd tem que manjar de TDD, Angular JS, Backbone, Ember ou qualquer outra biblioteca como se isso fosse 100% do trabalho deste profissional, também discordo quando um FrontEnd tem que criar layouts no Photoshop, Illustrator, Corel Draw (sim vi muitas vagas pedindo Corel Draw para FrontEnd), Banco de Dados nem se fala, são outras tantas soluções.

Minha experiência

Na minha experiência profissional de quase 20 anos na área, FrontEnd tem que manjar e aperceiçoar o seu CSS, HTML que já é muita coisa, codificar layotus responsivos, integrar com linguagens ou soluções conforme seu experiência e necessidade da empresa/projeto que trabalha, porém se envolver programação em JavaScript puro, PHP ou qualquer outra linguagem aí já são skills de um BackEnd.
frontend-solutionsUm programador (eu chamo de codificador) FrontEnd Coder deve entender de semântica de dar o significado ao conteúdo envolto pelo design criado; de como melhorar e entregar um HTML manipulável, de como formatar um layout seja usando um pré-processador ou não, usando um Grunt ou Gulp ou o que for, tem que criar um CSS de fácil manutenção, tem que montar o layout responsivo, seja usando frameworks ou não, tem que se preocupar com layouts que funcionem em celulares, tablets, computadores e o que mais for usado para ser acessado, tem que aplicar formas de se entender o significado do conteúdo não só para usuários que enxergam, mas para usuários que não enxergam em sua totalidade ou parcialidade, para buscadores, aplicativos e hardwares diferentes, tem que deixar o código pronto para ser aplicado nas mais diversas soluções do mercado e que outro profissinal de FrontEnd com foco em programação faça as devidas aplicações de interação.

Aí acho que existem 3 tipos de FrontEnd hoje, assim como no design exite o Diretor de Arte, Designer de Interfaces e por aí vai, hoje o profissional de FrontEnd se divide em:

  • FrontEnd Coder – aquele que codifica, corta o PSD, deixa o layout responsivo, aplica SEO, semântica, aplica semiótica no que faz, aplica efeitos jQuery;
  • FrontEnd ScriptDev – aquele que aplica interação ou seja trabalha em 99% do tempo com JavaScript, pois nem toca no HTML e CSS ou não deveria se preocupar com a criação destes, mas deve entende-los para manipulá-los da melhor forma;
  • FrontEnd Dev – aquele que aplica faz integrações profundas com sistemas BackEnd não ficando somente em simples IFs e ELSEs, criando módulos, plugins e assim integrando a base do layout a funcionalidade criada pelo BackEnd Dev sem necessitar deste.

Bom essa é a minha visão, posso estar enganado, mas estamos voltando a era que as empresas querem um BackEnd com funções de FrontEnd e os profissionais acham isso normal, claro que estou sendo simplista ao denominar somente 3 áreas, eu mesmo trabalho com 2 CMS atualmente e tenho noções das mais variadas, mas meu foco é na codificação.

E o profissional que sabe os três?

Esse não é um caso raro, mas sim mostra que cada vez mais o profissional de FrontEnd está mudando para BackEnd, o FrontEnd pode entender de PHP, Java, JavaScript, DOTNET, Ruby, Python, mas ele não precisa conhecer a fundo.

Integração e melhor comunicação entre equipes ajudam, agora fazer um profissional de uma área mergulhar mais em outras constroi um fenômeno que eu chamo de “pacman” quando uma área engole outra, isso acontece quando falam que é bom fazer o profissional de uma área seja lá qual for, aprenda um pouco de outra área afim de fazer ambas conversarem melhor, porém isso não acontece e a primeira acaba engolindo a segunda e isso não é bom, em partes.

Aprender outra área que é próxima a sua é sempre um crescimento, ajuda você a ir além do que é costume, o lado ruim é que você assume muito mais áreas correndo assim maiores riscos, levando mais falhas ao que não precisaria, não é assunto aqui e agora sobre falhas, mas a maioria dos problemas que vemos na área de TI principalmente, vem do acumulo de funções importantes e as decisões acabam sendo mais complexas levando a riscos maiores e erros maiores por sua vez.

Um exemplo de integrações

Eu monto meus HTML’s prontos para serem integrados com PHP, Ruby (fiz uma vez só), Java, DOTNET enfim N linguagens, porém em alguns casos eu já faço a integração como WordPress, Magento, Vignette, Umbraco, DOTNET (usando VisualStudio), ou seja N soluções.

Aplicar scripts de jQuery ou outra biblioteca para validação de formulários, sliders, carrosseis e outras interações apesar de hoje muitos serem fáceis, quanto mais profunda é a lógica menos FrontEnd se faz e mais BackEnd se torna, mesmo assim em muitas empresas os FrontEnd Script Dev são maioria e estes já possuem uma biblioteca e gama de diretrizes e padrões definidos para aplicar interações que não são pesadas ou não consomem recursos do lado do usuário, já que o JavaScript roda no navegador na maioria das vezes e performance é o norte de 90% dos sites que desenvolvemos, do menor ao maior.

Também preciso conhecer e saber usar os aplicativos:

  • VisualStudio,
  • Sublime Text,
  • Brackets,
  • Dreamweaver (sim esse aplicativo),
  • Notepad++,
  • Notepad,
  • PhpStorm,
  • Photoshop,
  • Illustrator,
  • Fireworks.

web-developer-tools-1024x682Ter noção varia, como conhecer ou trabalhar com alguns sistemas operacionais como o Linux, MacOs, Windows, no meu caso ainda uso Windows 100% do meu tempo, o fator de não ter aplicações como o Adobe Creative Cloud e Microsoft Office por exemplo, engessam a migração para Linux por exemplo e o custo de computadores da Apple inviabilizam trabalhar com este sistema, também tem que conhecer de SVN, GIT (alias amo o gitlab que tenho no meu server e o github para projetos opensource).

Ah ao engracadinhos e xiitas do linux antes que falem: Mas usa o Gimp para abrir photoshop, e o Libre Office para arquivos do Office; desculpa gente, mas eles não abrem .psd corretamente e nem o .docx ou .pptx e não são os aplicativos mencionados, por isso não dá pra comparar e as agências nos enviam materiais para estes aplicativos, qualquer outra forma conhecida de rodar estes aplicativos no Linux remete sempre a pirtaria o que sou totalmente contra.

Enfim o FrontEnd não é só JavaScript, WordPress, Magento, Umbraco e também não é só HTML, mas não podemos mais uma vez generalizar, hoje me identifico como WordPress e Magento FrontEnd Coder porque faço já a integração principalmente para estas duas plataformas, não faço a programação de tudo e o que demanda mais de script eu deixo na mão do BackEnd pois ambas as plataformas tem seus padrões, fugiria da qualidade do que entrego.


 Observação:
Este texto reflete a minha opinião, vivência nos últimos 18 anos de Web Design, Gerência de TI, Designer de Interfaces e FrontEnd. Se você não concorda ótimo, se concorda ótimo também, comentários serão aceitos desde que bem construidos.

Sem token ou token expirou.

4 thoughts on “FrontEnd uma profissão incompreendida

  1. Rafael Martins disse:

    Acho que estamos caminhando para a convergência entre os 3 tipos de dev que você citou, as metodologias de desenvolvimento hoje pedem que o dev Front End saiba bem mais do que a tempos atrás.

    Abs!

    1. disse:

      É disso que tenho medo ao invés de termos profissionais focados teremos novamente generalistas que pela visão das empresas devem saber tudo perfeitamente e fluentemente e isso já causa problemas nas empresas hoje, só que os profissionais não conseguem ver.

Comments are closed.